Tese de Mestrado em Gestão Empresarial -1

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS,

ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE FRANCA

FACEF

A VEZ E A LÓGICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO MUNICÍPIO DE  FRANCA-SP  E REGIÃO : A INTEGRAÇÃO  SÓCIO-AMBIENTAL NA MICROECONOMIA DO BAIRRO ATRAVÉS DE INCUBADORA DE EMPRESAS COMUNITÁRIAS  E TECNOLÓGICAS

WAGNER DEOCLECIANO RIBEIRO
 
 
 
FRANCA
2000


Dissertação apresentada à Faculdade de  Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis de Franca-SP ao  Programa   de Mestrado do Curso de Pós – Graduação Stricto sensu (Área de  Concentração: Gestão Empresarial), para obtenção do título de Mestre.
Orientador: Prof. Dr. José Walter Canôas da Unesp/ Franca.
 


Ribeiro, Wagner Deocleciano
R 372v            A vez e a lógica do desenvolvimento sustentável no Município de  Franca – SP e região: a integração sócio-ambiental na microeconomia do bairro através de incubadora de empresas comunitárias e tecnológicas.  Franca; 2000. 99 p.
 
                        Orientador: Prof. Dr. José Walter Canôas
                        Dissertação de Mestrado – Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis de Franca – FACEF
                        Programa de Mestrado do Curso de Pós-Graduação Lato sensu (Área de Concentração: Gestão Empresarial)
 
a.       Administração de empresa – Incubadora de Empresas  2.  Desenvolvimento
                        Sustentável  3. Microeconomia  4. Integração Sócio Ambiental – Franca  5. Empresa – Multidisciplinaridade. I.T. 6.  Gestão Ambiental  7 .  Multi-institucionalidade.

CDD  658. 408


DADOS CURRICULARES

WAGNER DEOCLECIANO RIBEIRO

NASCIMENTO:       30.12.61- FRANCA/SP

FILIAÇÃO:               José Ramon Ribeiro e Lília Sandoval Ribeiro

1981/1986 Curso de Graduação Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro/Uberaba

1986/1989 Curso de Pós-Graduação em Homeopatia, nível de Especialização, no Instituto Homeopático François Lamasson de Ribeirão Preto.

1988/1989 Residência em Clínica Médica, nível de Especialização, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba/MG.

1989/1990 Residência em Cirurgia Pediátrica como Residente Estrangeiro nos Hospitais da Assitência Pública de Paris, bolsista do Colégio de Medicina.

1991/1992 Curso de Formação de Docentes e Pesquisadores em Homeopatia, nível de Especialização, bolsista da CAPES pela Universidade Federal de Uberlândia.

1992/1994 Residência em Cirurgia Pediátrica no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia.

1996/1997 Presidente da Associação Médica Homeopática do Estado de São Paulo e Organizador do IV Congresso Médico Homeopático Paulista.

1992/1999 Professor de Homeopatia do Instituto Homeopático François Lamasson de Ribeirão Preto.

1997/2000 Coordenador do Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Franca




Dedico este trabalho ao Artesão da Liberdade, que com suas asas não se deixa abater diante do mecanicismo debulhado e desdentado deste final de século.
À Luciana e Maria Carolina que são os motivos de minha luta.
À “BÊ”, bendita onde estiver…
À índia Bartira e João Ramalho, em nome de meus antepassados…





Agradeço ao Prof. Dr. José Walter Canôas, que me conduziu e orientou na conclusão deste trabalho; à Coordenação do Mestrado que não mediu esforços no sentido de nos enriquecer no conhecimento através das disciplinas dadas no Programa e, especialmente, aos que colaboraram indiretamente para o aperfeiçoamento do mesmo: Sirlene Aparecida de Pádua Teixeira na correção ortográfica, Luciane Vilela de Oliveira na digitação e Maria Virgínia de Figueiredo Pereira do Couto Rosa na correção de metodologia e técnicas de redação científica.




“A sociedade que se formou da reunião de várias aldeias constitui a Cidade, que tem a faculdade de se bastar a si mesma, sendo organizada não apenas para conservar a existência, mas também para buscar o bem-estar. Esta sociedade, portanto, também está nos desígnios da natureza, como todas as outras que são seus elementos. Ora, a natureza de cada coisa é precisamente seu fim. Assim quando um ser é perfeito, de qualquer espécie que ele seja – homem, cavalo, família – dizemos que ele está na natureza.”
Aristóteles …




REFLEXÕES DO AUTOR


Senhor da vida e de sua própria morte, o homem moderno se fez tão imponente, que após romper os ditames do átomo , em busca de uma teoria absurda do caos permanente, reestrutura o seu pensar ganancioso em uma plena economia de subsistência. Selvagem em seu impulso histórico de conquista de vida fácil , às custas de aventuras heróicas; sem o mínimo de responsabilidade frente ao conquistado ; transformou a história do mundo numa seqüência de massacres e sofrimentos , onde sempre perdeu aquele que se deixou conquistar.

A História evoluiu de desgaste em desgaste dos recursos naturais, humanos, culturais…, e chegamos a tal ponto, que este pequeno planeta azul, corre o risco de se perder não mais numa teoria do caos, mas no próprio caos civilizante que este animal informatizado e robótico deixa rastreado no deserto ecológico pós-modernidade…

Rompe-se o equilíbrio ecológico com a mesma velocidade que o antropofágico capitalizado invade a selva mãe, em busca da harmonia perdida… E nesta busca incessante/incestuótica de um filho maldito na terra máter, constrói-se a eterna e histórica economia de subsistência…

Estaríamos realmente nos aproximando, no auge da tecnologia moderna, de um verdadeiro período de escassez? Como e que parâmetros medir nossa capacidade de gerar uma economia de subsistência às custas de fontes não renováveis de energia?

Como quebrar a cadeia de economias de consumo, que geram necessidades fictícias reverberando reações em cadeia, que por sua vez, aumentam o consumo? “Juro gera juro, nunca gera mercadoria” já dizia o poeta, de quem fizeram ideologia…

Rever este equilíbrio perdido é uma necessidade urgente, e com o elo de integração homem/terra, descobriremos fontes renováveis de energia para que este civilizado sem direção, encontre nas atitudes elementares dos ditos primitivos uma melhor perspectiva de utilização desta tecnologia fadada ao desperdício dos já escassos recursos naturais…

E bem ao longe, nos recônditos da grande floresta mágica, ouvimos um grito surdo e sufocado dos últimos ianomâmis que restaram.

Para nos recontar a História e como era seu início, estão pagando caro e com sua própria sobrevivência. Suas mulheres fazem o trabalho pesado; um bebê ao colo e um fardo de lenha de 50 quilos nas costas para uma caminhada de uma hora no meio do mato, servindo a maridos polígamos e infanticidas…

Estes mesmos que hoje dobram o século do despotismo e da subversão dos reais valores humanos, dentro desta selva de pedras e muito concreto…

Chegamos ao auge esplêndido da técnica de contraceptivos e abortivos impostos por uma grande teoria de consumo de vida neste planeta da vida; e tão perto vemos as imagens mudas das mulheres parisienses, nesta floresta imaginária de ultrajes; são as mesmas mulheres ianomâmis sobrecarregadas de trabalho pesado; com dinheiro ao colo, um fardo de lenha de 50 quilos nas costas para uma caminhada de uma hora no meio desta selva de concreto…

Economia de subsistência…


Wagner Deocleciano Ribeiro




SUMÁRIO
RESUMO………………………………………………………………………………………….13


INTRODUÇÃO………………………………………………………………………………….16
CAPÍTULO I – ELEMENTOS CONSTITUINTES DO REFERENCIAL TEÓRICO
1- A origem do estado: a sociedade dividida e o homem servil …………..18
2- A interdisciplinaridade como forma de recompor o novo modelo de organização que privilegie a unidade e a organicidade do saber……….35
3- Os marcos teóricos da sustentabilidade………………………………………..42
3.1- Desenvolvimento Político-Econômico e o Conceito de Planejamento
……………………………………………………………………………………………………….43
3.2- A economia política do desenvolvimento sustentável…………………44
3.3- Qualidade de vida e riscos ambientais……………………………………….46
3.4- Tecnologia e cidadania………………………………………………………………48
CAPÍTULO II – A CONSOLIDAÇÃO DA LÓGICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE FRANCA-SP E REGIÃO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL E PARTICIPATIVO NA BUSCA DA MELHORA DA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO……………………………………………..50
1- A constituição, o meio ambiente, a educação ambiental e o desenvolvimento…………………………………………………………………………….52
2- O município de Franca e o meio ambiente……………………………………56

3- Programas voltados ao meio ambiente no município de Franca……60

CAPÍTULO III – EM BUSCA DE UM MODELO GERENCIAL QUE INTEGRE OS PARADIGMAS EMERGENTES NUMA NOVA ORGANIZAÇÃO: A EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL…………………….65

1- Um estudo da gestão empresarial no modelo de desenvolvimento econômico a todo custo: As incubadoras de empresas do Nordeste Paulista e imediações……………………………………………………………………..66

2- A pesquisa…………………………………………………………………………………..69

3- As incubadoras de empresas do Nordeste Paulista e imediações…..73

4- Análise conclusiva dos dados……………………………………………………….78

CONSIDERAÇÕES FINAIS…………………………………………………………………82

PERSPECTIVAS E SUGESTÕES…………………………………………………………..89

BIBLIOGRAFIA………………………………………………………………………………..95

ANEXO 1 – FOTOGRAFIAS………………………………………………………………101

ANEXO 2 – QUESTIONÁRIO……………………………………………………………116