VIVER A INTEGRALIDADE: da gestão à saúde integral

Ser ou não ser um médico de família hoje corresponde uma mudança de paradigmas na vivência da medicina, como uma arte.

Entre o organicismo e a medicina integral vai da saídas das especialidades médicas para uma visão de cura, que implica seu sucesso nos resultados médicos aplicados e sua satisfação real no exercício da saúde integral.

Você, colega médico e que sabe a que veio fazer neste campo do conhecimento humano, deve-se ocupar de viver sim a integralidade médica de uma relação médico paciente, que corresponda a sua realização profissional.

Da gestão à saúde integral, você deve ser o agente de cura de todo este sistema desintegrado que a partir de uma vivência efetiva da saúde no território e no ambiente da família, você junto á sua equipe profissional da saúde vai gerenciar a mudança necessária e urgente, que traga cura e resolutividade, humanização e tecnologia com percepção do que deve ser curado no seu paciente, que segundo Hahnemann, deve fazê-lo atingir o mais alto fim existencial da vida dele, que é o que se chama curar.

As Luzes foram apagadas enquanto muitos se entregaram às suas trevas interiores...
Orientações ao século 20 visto à luz da ciência do século 21
Ser ou não ser um médico de família hoje corresponde uma mudança de paradigmas na vivência da medicina, como uma arte.